CORREÇÃO DE FENDA PALATINA TRAUMÁTICA E OSTEOSSÍNTESE DA SÍNFISE MANDIBULAR EM CÃO: RELATO DE CASO

  • Thays Luanna de Souza
  • Gauber Luebke Francisco
  • Camila Brunkow
  • Vinícius Ferreira Caron

Resumo

Na rotina medicina veterinária tornou-se frequente atender casos de fraturas mandibulares
e fendas palatinas. Em cães, a fenda palatina geralmente é decorrente de fatores congênitos
ou hereditários, traumática e nutricional (GIOSO, 2003; ROBERTSON, 1996; NELSON, 2007).
Os estados patológicos que acometem a mandíbula são as fraturas, neoplasias, infecções,
doenças proliferativas (osteopatia craniomandibular), cistos ósseos, luxação da articulação
temporomandibular (ATM) e hiperparatireoidismo renal secundário (Eisner, 1989; Fossum, 2002).
As fraturas mandibulares correspondem cerca de 3% à 6% do total de fraturas ocorridas em cães,
normalmente a região afetada é entre o primeiro pré molar e o segundo molar (LOPES et al., 2005;
KITSHOFF et al., 2013). O presente trabalho tem por objetivo relatar o caso de um cão acometido
por fenda palatina e disjunção da sínfise mandibular, ambas ocasionadas por trauma.

Publicado
2018-10-09