CAUDECTOMIA PARCIALTERAPÊUTICA EM CÃO COM MIÍASES RECORRENTES – RELATO DE CASO

  • Adriélle Bianca Cezario
  • Laryssa Heim
  • Ana Carolina Andrade
  • Milton Mikio Morishin Filho

Resumo

Em cães, a cauda é uma extensão da coluna vertebral onde o número médio de vértebras
coccígeas é tipicamente 20, podendo variar entre seis e 23 vértebras. Dependendo da raça os
segmentos cranianos possuem conformação semelhante às vértebras da coluna e os segmentos
caudais possuem um formato cilíndrico (Evans e Lahunta, 2012). A função da cauda em cães e
gatos está principalmente relacionada ao comportamento e ao equilíbrio (Horwitz e Mills, 2010;
Coren, 2011). A caudectomia é uma prática utilizada há quase 2.000 anos em algumas raças de
cães, pois a opinião geral da população é que isto impediria a raiva. Antes do século XIX, alegavase
que a amputação da cauda poderia ser útil para aumentar a velocidade, para fortalecer as costas
e evitar que os cães fossem mordidos durante a luta (Morton, 1992). Porém no Brasil a caudectomia
foi proibida para fins estéticos de determinadas raças, além do fato de ser considerada mutilação,
exceto em casos de indicação clínica terapêutica (BRASIL, 2008). A caudectomia é um procedimento
cirúrgico, que pode ser classificada em completa ou parcial, dependendo da localização da lesão
(Bellah, 2006). O objetivo deste artigo é relatar um caso de caudectomia parcial em cão devido a
constantes lesões e consequentemente miíases na cauda.

Publicado
2018-10-09