DEMODICOSE ASSOCIADA A DERMATOFITOSE EM CÃO – RELATO DE CASO

  • Erika Borba Decker
  • Marina Thomaszeck
  • Patrícia Medeiros
  • Valéria Kanagusuko
  • Mariana Scheraiber

Resumo

Segundo PateleForsythe (2010), a dermatofitose é uma infecção tegumentar, pouco profunda
causada por dermatófitos dos gêneros Microsporum, Trichophyton e Epidermophyton. São fungos
ceratinofílicos que atingem animais e seres humanos, sendo maior a ocorrência em filhotes, gatos
de pelagem longa e pacientes imunossuprimidos. Há predisposição racial nos felinos da raça persa
e cães da raça Yorkshire e Jack Russel Terrier (Hnilica, 2012). A transmissão direta é pelo contato
com o animal infectado e suas descamações ou indiretamente por fômites contaminados. O período
de incubação varia de uma a três semanas e os principais sinais clínicos incluem alopecia em
formato de círculo, prurido intenso e pele eritematosa (Lopes et al., 2016). Já a demodicose canina
é uma dermatite ocasionada pela multiplicação em excesso de ácaros do gênero Demodex na pele,
constitui numa enfermidade multifatorial onde a presença do ácaro se conjuga com fatores genéticos
e imunológicos do animal (Griffin et al.,1993). A transmissão de Demodex canis acontece por contato
direto de mãe para filhote e entre cães da ninhada, 48 a 72 horas após o parto. O diagnóstico pode
ser feito por raspado profundo de pele, aonde é observada a presença do ácaro (Scott et al., 2001;
Gross et al., 2005). Devido à alta casuística na clínica médica veterinária, o presente relato tem
como objetivo demonstrar a condução do caso, forma de diagnóstico e tratamento em animais com
dermatopatia.

Publicado
2018-10-09