O dispositivo comunicacional nas mídias digitais: um estudo sobre páginas e grupos do Facebook

  • Rosana Mauro Universidade de São Paulo, USP
  • Roseli Figaro Universidade de São Paulo, USP

Resumo

Neste artigo, as autoras discutem a característica de dispositivo híbrido das páginas e dos grupos no Facebook, considerando o contexto de remediação midiática de Bolter e Grusin (2000). Foram escolhidas para análise duas páginas e dois grupos temáticos do Facebook. A definição de dispositivo retoma o conceito a partir da noção proposta por Dominique Maingueneau (2004), que compreende o dispositivo como o organizador dos elementos de produção, difusão e recepção dos enunciados. Essa definição dá ao conceito um caráter operacional que contribui para a análise dos processos comunicacionais. Verificou-se no corpus analisado marcas discursivas de um dispositivo híbrido com características de um meio dependente do lugar e do tempo da enunciação, mas, ao mesmo tempo, configurado pelas limitações de um meio independente de tais elementos.

Biografia do Autor

Rosana Mauro, Universidade de São Paulo, USP
Doutoranda em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, USP. Mestre em Ciências da Comunicação pela mesma instituição. Especialista em Comunicação Organizacional pela Faculdade Cásper Líbero. Bacharel em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo, UMESP. Integrante do grupo de pesquisa GELiDiS.
Roseli Figaro, Universidade de São Paulo, USP
Professora da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP) e coordenadora do grupo de pesquisa “Comunicação e trabalho” da ECA/USP/CNPq. Doutora em Ciências da Comunicação pela USP, com pós-doutorado na Universidade de Provence, França.
Publicado
2018-07-01