Efeitos auditivos dos solventes: revisão de literatura

  • Diolen Conceição Barros Lobato
  • Adriana Bender Moreira de Lacerda

Resumo

Estudos identificaram os solventes orgânicos como os produtos químicos mais perigosos à saúde. Sabe-se que os solventes
orgânicos podem atuar como agentes ototóxicos e neurotóxicos, causando graves danos à audição, principalmente na
presença de ruído. Sendo assim, o objetivo desse artigo foi revisar a literatura nacional e internacional relacionada aos
solventes orgânicos. Os métodos de avaliação audiológica que têm sido utilizados com maior frequência em animais expostos
a solventes incluem: potencial evocado auditivo de tronco encefálico, exames morfológicos e respostas condicionadas e
demonstram que os solventes afetam o sistema auditivo periférico e central. Já para os estudos em humanos, sugere-se
a audiometria tonal como ponto de partida, visto que os efeitos da exposição crônica aos solventes não parecem ser
restritos à cóclea, o nervo auditivo e as vias auditivas poderiam ser também agredidos. Os resultados constatados nesse
estudo de revisão indicam a necessidade de incluir avaliações audiológicas complementares, como: audiometria de altas
frequências, emissão otoacústica, potencial evocado auditivo de tronco encefálico, avaliação do processamento auditivo
nos exames periódicos dos trabalhadores expostos ao ruído e solventes. Estes testes complementares podem permitir
que a equipe consiga diferenciar os efeitos do ruído dos efeitos de produtos químicos.