A educação ambiental e o uso dos espaços físicos escolares: o que dizem os indicadores de avaliação sobre as escolas públicas estaduais de Curitiba -PR

  • Bianca de Morais Silva
  • Solange Reiguel Vieira
  • Marília Andrade Torales Campos

Resumo

Diante de um modelo de desenvolvimento desordenado e do distanciamento crescente entre a sociedade e a natureza, as escolas emergem como um importante espaço de resistência social para ruptura de determinadas práticas e a necessária transformação socioambiental. Seus espaços físicos, contudo, apresentam significativas limitações quanto à ambientalização e potencial de sensibilização dos sujeitos que ali atuam. Diante dessas problemáticas, buscou-se, por meio da aplicação de uma matriz de indicadores, analisar aspectos relacionados à gestão do espaço físico das escolas estaduais do município de Curitiba-PR, visando identificar seu potencial no desenvolvimento da Educação Ambiental. A matriz de indicadores foi composta por quatro dimensões: currículo, gestão, espaço físico e comunidade. Neste artigo serão apresentados dados relativos à dimensão espaço físico. Os resultados apontaram potencialidades e fragilidades do cenário das escolas participantes, possibilitando a utilização da análise para o monitoramento e planejamentos das escolas, com vistas à implementação de espaços educadores sustentáveis. 

Palavras-chave: Educação Ambiental, Espaço Físico, Indicadores, Espaços Educadores Sustentáveis.

Biografia do Autor

Bianca de Morais Silva

Universidade Federal do Paraná. Bióloga. Email: biancamoraissilva98@gmail.com

Solange Reiguel Vieira

Universidade Federal do Paraná. Doutora em Educação. Email: solgeografia@gmail.com

Marília Andrade Torales Campos

Universidade Federal do Paraná. Doutora em Ciências da Educação. Email: mariliat.ufpr@gmail.com

Publicado
2022-12-12