Educação Filosófica em H. Arendt: entre o Reformismo e o Afeto Amor Mundi

  • Jorge L. Viesenteiner Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar o sentido de educação filosófica por meio de alguns textos de H. Arendt, especialmente em um contexto pautado pela atual agenda pedagógica de reformismos de toda ordem. Trata-se de problematizar o pressuposto pragmático que orienta o contexto reformista na Educação — aquele que substitui o aprendizado pelo fazer —, a fim de deslocá-lo para o pressuposto afetivo do que H. Arendt denominou Amor mundi — aquele que assume a responsabilização pelo mundo.

Biografia do Autor

Jorge L. Viesenteiner, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutor em Filosofia pela Unicamp e Professor de Filosofia da Universidade Federal do Espírito Santo.

Publicado
2018-11-27